domingo, 19 de outubro de 2008

Eu posso voar...

Dia 19.10.2008.
O engraçado é que pelo ditame do coração, não existem limites! Ainda bem! Digo para mim mesmo isso diariamente quando fecho meus olhos e vejo os desejos que ainda não foram concretizados dentro do meu coração, e, paralelamente, os medos e as impossibilidades que me cercam para alcançar justamente aquilo que ainda não experimentei, aquele sabor que não engoli, nem mesmo aquele cheiro que não senti. De que adianta estar estagnado nos sentimentos apenas de meu coração? De que adianta eu fazê-lo parar? Para que me enganar? Para que me cegar pelos motivos alheios e por sentimentos alheios à nossa vontade? Medo, insegurança, ciúmes, ditames, regras, tempo e espaço? Para que pensar nisso tudo se quando olho para dentro de mim vejo tão somente nuvens, carregadas de sentimentos bons, recíprocos e palpáveis? Para que imaginar que as nuvens estão tão distantes, deixando de lado a possibilidade de sonhar? Para que pensar que não posso voar?

Derrame sobre mim! Rápido! E com raios, trovões e muita água toda sua fúria! Desce sobre minha cabeça o contrário e o oposto, pois o que eu não vejo de perto me interessa! Para que locupletar-me com o trivial? Para que sentir isso dentro de mim, esta força que me movimenta e diz que não posso viver sozinho? Para que plantar sentimentos longínquos, distantes? Sim meu Deus! Sou um sonhador... sou um homem sonhador com os pés no chão! Olha que sentimento estranho: vivendo um sonho com os pés no chão! É possível? Será que posso caminhar nas nuvens vermelhas do sentimento do amor e, nadando sobre elas, sair molhado de gratificação e satisfação própria por ter vivido o que eu sempre quis? Prefiro ser um velho sonhador e ser EU do que ser aquilo que supunha ser em uma razão plantada à tempos atrás pela sociedade, pelos amigos e pela minha vida já vivida!

Prefiro ser assim, como as nuvens carregadas! Cheias e plantadas no céu! Prefiro ser aquele velho sonhador, plantando sentimentos que as pessoas esqueceram à muito tempo. Porque não eu? Sento-me e olho no espelho. Fecho meus olhos e vejo minha imagem refletida. Vejo justamente isto: um borrão, dobras, formas diferentes... uma nuvem. Preta... Carregada... pronta para explodir, para derramar sobre os outros o amor, o carinho e o meu eu, sentimentos estes únicos pessoais, que plantei e que levarei de mim para o resto de minha vida.

Dica: veja a galeria de imagens, no topo da página do lado direito, título "Flickr - Minha galeria de fotos", clicando nos respectivos links de seu gosto.

2 comentários:

Pri Ruy disse...

Amigo...
Continue assim...
Essa núvem que explode sentimentos lindos, que leva aos que te rodeiam a paz, o carinho e a felicidade...
Porque?!?!? Porque você é simplesmente único!
Beijo!!!!!!

Dani Luengo disse...

Desta vida nada se leva...
Vai contigo apenas o que for bom, os sentimentos e ações!
Nunca deixe de semear a luz e deixar isso transparecer.
Beijão Udo!